Como criar uma PEN de arranque com o G4L

O G4L é a minha ferramenta de eleição no que toca a cópias de segurança e restauro de software nos computadores.
Com tantas máquinas para gerir, algumas das quais começam a dar problemas com os leitores de DVD, tive que avançar para esta solução.
O objetivo é ter uma PEN de arranque, que quando utilizada, inicia automaticamente o G4L, deixando desta forma de estar dependente do leitor de DVD.
Depois de seguir muitos “How To …“, cada um mais confuso do que o anterior, acabei por me deixar levar pelo lema “Time is Money“, e arranjei um processo bastante simples que descrevo no vídeo seguinte.

Podem usar o mesmo processo para montar outros utilitários, transformando a vossas PEN em verdadeiros Canivetes Suíços.
Links que utilizei:

http://sourceforge.net/projects/g4l/

http://rufus.akeo.ie/

Anúncios

Escolas defendem o ensino de linguagem de programação

O meu gosto pela programação remonta ao tempo de ZX-Spectrum! Recordo como me entretia entre as misteriosas linhas da linguagem BASIC, que agora reconheço, tanto me ensinaram a estruturar e organizar os meus raciocícios.

Esta é uma das razões que me levam a questionar, porque razão, e passados todos estes anos, ainda não se faz uma aproveitamento mais pedagógico desta área disciplinar.

Inclusivamente, já cheguei a resumir um texto, relativamente extenso, que suporta esta minha convicção (ler aqui).

Deixo um vídeo e um link que encontrei para reflexão.

http://olhardigital.uol.com.br/jovem/digital_news/noticias/escolas-defendem-ensino-de-programacao-a-criancas-e-adolescentes

O caráter formativo da crise na adoção de software aberto nos sistemas do Estado

A minha leitura de fim de semana foi um pouco chata, pois ler o Diário da República não é uma atividade que se possa considerar divertida.

Falaram-me na Resolução do Conselho de Ministros n.º 12/2012 de 7 de fevereiro, e lá fui ver de que se tratava afinal.

Digamos que o governo diz que vai poupar até 500 milhões de euros à custa da implementação de um plano global de racionalização e redução dos custos da
Administração Pública.

O documento está organizado em torno de cinco eixo e das respetivas vinte e cinco medidas que conduzem à sua implementação.

Entre outras que também considerei interesantes, embora sempre se tratasse de uma “verdade de La Palisse”, a medida 21 pode finalmente ser um indicador de que brevemente, os hábitos de utilização de software nas escolas vão ter que mudar:

8.1 — Medida 21: Adoção de software aberto nos sistemas de informação do Estado
Promover a utilização de software aberto nos sistemas de informação da AP sempre que a maturidade e o custo sejam favoráveis.”

Será desta?

Apoio técnico da ZON

Hoje o assunto é mais leve, pois acabei de fazer mais um telefonema engraçado para o apoio técnico da ZON.

A certa altura diz a menina:

– Qual é o seu browser? IE, Firefox ou Chrome?

E eu, perante a ausência da opção que me interessava respondi:

– Bem. Eu uso Linux, por isso penso que a resposta correta será o equivalente ao Firefox.

Silêncio seguido de:

– Mas o que quer dizer com equivalente?

E eu respondo:

– Como o meu SO é Linux não uso o Firefox mas o Iceweasel.

Conclusão:

– Lamento mas não prestamos apoio blá, blá …

É giro não é?

Não me recordo de as operadores, no contrato que assinamos, pedirem para indicar o SO ou o Browser!

Não acham isto ridículo?

creative commons

x

“With Creative Commons, the act of creation becomes not the end, but the beginning of a creative process that links complete strangers together in collaboration.”

— Jonathan Coulton
Musician

http://pt.wikipedia.org/wiki/Creative_commons

http://en.wikipedia.org/wiki/Creative_Commons